tropa de elite

Este texto eu elaborei utilizando como base a palestra do senhor Paulo Storani. Este foi uma das referências para as gravações dos filmes tropa de Elite 1 e 2, com base nele e em mais duas pessoas foi criado o personagem Capitão Nascimento.

A palestra tem como foco a motivação da equipe empresarial, a vestir a camisa da empresa e fazer o melhor possível, o serviço pela qual ela foi contratada e ir além dessas expectativas.

Desta forma devemos buscar as respostas para duas simples perguntas:

O que nos mobiliza a fazer algo?

O que nos tira da Zona de conforto?

Neste ponto gostaria de fazer uma ressalva, antes de continuar a descrição feita pelo Storani referente ao BOPE. Devemos buscar em cada um de nós os valores pelos quais nos balizamos, quando devemos tomar qualquer atitude, sejam elas a família, dinheiro, qualidade de vida, profissão e etc, somente depois de firmarmos os nossos valores, conseguiremos responder sinceramente as duas questões colocadas acima.

De acordo com o Storani, para o pessoal do BOPE, o que os motiva são os desafios da Profissão e com isso vem 3 (Três) pontos básicos, para o sucesso da  qualquer missão que eles tenham que enfrentar, são eles:

Ter sempre definido as Metas, para o cumprimento do desafio e indicadores para medir a evolução na direção do objetivo final;

Após definidos as Metas e indicadores, traçar um planejamento estratégico de como devem ser feitos para alcançá-los

E sempre Trabalhar em equipe;

Fazendo uma análise dos pontos apresentados, dentro de qualquer desafio, tarefas ou atividades, podemos comparar com a gestão de projetos pelos princípios do PMI:

Gerenciamento de Escopo;

Gerenciamento de Custos;

Recursos Humanos; (Conhecimento da equipe para definição das atividades individuais de acordo com sua capacidade)

Gerenciamento de Comunicação;

Gerenciamento do Tempo; (Meta)

Gerenciamento da Qualidade;

Gerenciamento de Integração;

Implementação ou execução;

Fechamento e documentação;

Seguindo está linha de raciocínio, um projeto sempre deve ter com prioridade o resultado, desta forma o BOPE leva todos os desafios com a seguinte frase de impacto: “Missão dada é missão cumprida”, venho a pensar que para toda e qualquer tarefa, que você por uma acaso seja inserido, deve buscar sempre os fatores para melhor alcançar os objetivos, seguir sempre para alcançar o sucesso, alguns dos fatores que podem fazer a diferença é o seguinte:

Dar o primeiro passo, assumir a responsabilidade; (mostrar liderança)

Determinação individual e da equipe em busca do resultado; (comprometimento)

Explicar claramente o tamanho do desafio para a equipe; (clareza dos fatos)

A cada tarefa cumprida, procurar se aperfeiçoar cada vez mais, para que nas próximas superemos as metas estabelecidas; (superar as expectativas)

Ter disciplina; (acompanhamento das etapas)

Treinamento; (desenvolvimento humano)

Não ultrapassar os prazos acordados; (integridade)

Uma frase que achei muito interessante que o Storani colocou em sua palestra é a seguinte: “ Trabalhar na fartura é muito fácil e qualquer um pode fazer, o problema é trabalhar no déficit, onde as pessoas tem que trabalhar com os recursos e a equipe que tem.”

Indiretamente a frase nos leva a determinar que tanto individualmente quanto coletivamente, o foco tem que estar sempre no resultado, não se desviando do objetivo, evitando reclamações, tarefas que não estejam focadas no objetivo final.

Ao passamos por um momento de desequilíbrio, seja na vida pessoal, profissional ou social, quando parece que as coisas estão todas erradas e qualquer atitude não surte o efeito necessário, é quando devemos parar e repensar em todas as metas, planejamentos e determinar melhor qual efetivamente é o resultado esperado, devemos sempre almejar um degrau de cada vez. A cada conquista conseguida utilizando o seu melhor em pouco tempo terá superado a meta e o resultado total, sem que você perceba, pois ao assumir o problema e atacá-lo de frente, sempre será bem menor do que aparentava.

Tenhamos sempre em mente, “Aja o que houver aja” e nunca reaja, pois na reação de imediato, a atitude vem sempre guarnecida de sentimentos, podendo assim causar uma situação insustentável. Agindo e enfrentando o problema de frente, como já citei acima o problema será bem menor do que apresenta, com isso em uma nova situação que seja similar, o problema será resolvido mais facilmente.

Outra dica muito importante é nunca subestime o seu cliente, não seja arrogante se, portanto como a única solução, pois quando você menos esperar ele agirá tomado por sentimentos e poderá até cancelar um contrato, que não ficará bem para ninguém, escute o seu cliente, veja o que ele tem a falar, lembre-se o cliente é quem paga o seu salário.

Para o melhor atendimento ao cliente, devemos treinar a nossa equipe preparando-os para situações adversas e que eles poderão encontrar no dia a dia. Conhecendo os nossos limites e também o da nossa equipe, evitaremos assumir mais compromissos do que podemos cumprir nos prazos determinados e quando obtermos sucesso nas atividades, lembrar sempre da Humildade, pois o sucesso que pode parecer ilimitado, mas é finito se não mantermos o foco no objetivo.

Hoje o mercado é muito competitivo e em algumas áreas até leonina, assim as empresas cada vez mais, precisam se aperfeiçoar e se adaptar as mudanças de cenário, se especializando e principalmente tendo foco no seu ramo de atividade.

Citando a parte de mudanças de cenário, as empresas bem como o BOPE são afetados por diversas situações, como mudança na política, na economia, financeira e etc. assim não podemos deixar de citar um cenário de crise e que as empresas e o BOPE, nesta situação pode ocorrer três fatores:

Corrupção (prometer e não cumprir)

Omissão (desistir antes de começar)

Partir para a ação (executar da melhor forma possível)

Qualquer semelhança com o mercado privado não é mera coincidência.

Para conseguirmos e mantermos uma equipe disposta e motivada, não tendo problemas diante de um desafio  ou uma nova missão, seguimos os seguintes fundamentos utilizados pelo BOPE:

Seleção rígida da equipe;

Treinamento rígido; (no que exatamente eles irão enfrentar)

Controle rígido de performance; (Conduta, qualidade e resultado)

Um fato interessante é que para qualquer um dos itens acima, tenham algum fato que os desabone, isso para qualquer membro da equipe, só haverá duas opções: ou pede para sair ou eles saem com ele.

Essa rigidez com a conduta dos componentes existe porque, para ser integrante do BOPE não existe convite e sim somente é aceito por mérito e depois disso o mesmo tem que ser voluntário. Uma vez dentro da equipe, a única coisa que tem direito é de não ter a chance de não fazer, por mais “impossível “ que possa parecer, pois o possível qualquer um faz.

Mesmo com o mérito e com o voluntariado do membro para o BOPE, cada individuo é avaliado e tem que seguir no mínimo o seguinte perfil como regra básica:

Voluntário – Querer fazer;

Altos padrões morais, físicos e psicológicos;

Liderança – influenciar o comportamento do próximo através de suas próprias atitudes e com seus atos como exemplo; (Liderança)

Ser o melhor entre os melhores, pois foi por opção, que eles decidiram ser;

Para que tudo isso funcione os componentes são treinados e seguindo os seguintes pontos:

Conhecimento técnico – Sabedoria;

Limites desafiados – princípio desidratativo (suor por trabalho duro) ou sopa de tamanco (é pau puro);

Enigma do barco – Integração e Comunicação

Um dia às 3 da manhã, com aquele frio congelante de inverno na serra do rio de janeiro, o capitão chamou o primeiro soldado e solicitou que olhasse para o lago, no meio do lago havia um barco e o mandou que o buscasse e o trouxesse até eles. Este primeiro soldado pensou, começou a ir em direção ao barco, mas desistiu no meio do caminho e pediu para sair da equipe, todos olharam atentamente para o soldado indo embora. Logo após ele apontou para outro e antes mesmo do capitão solicitar a mesma missão o soldado já desistiu e pediu para sair da equipe. O Capitão insistente chamou outro que prontamente se levantou e saltou para a frente da tropa, recebeu a mesma missão, antes de partir para o lago, como um líder de equipe, repetiu a mesma missão para toda a tropa, assim todos levantaram e correram em direção ao lago, buscando o barco e trazendo as margens conforme ordens do capitão. Moral da estória: às vezes a missão não é para ser feita individualmente e sim no coletivo, em equipe.

Querer conquistar e realizar com sucesso qualquer desafio;

Naturalização da adversidade: Preparar-se para mudanças;

Ritos de confirmação: cumprir as metas

Perseverança + Obstinação= Determinação

Deixa que eu faço. – palavra de incentivo – “Vá e Vença”

Buscar quais os limites de relevância para cada um;

Muitos devem estar perguntando, porque o titulo deste artigo é construindo uma Tropa de Elite e não uma liga da Justiça, bem na comparação a tropa de Elite é aquela que quando recebe uma missão vai e cumpre, sempre utilizando de bom senso olhando para o que pode ou não prejudicar o andamento da empresa, buscando sempre a ajuda do próximo e a colaboração de todos. Já a liga da justiça é referência que eu dou a equipe que “se acha” a melhor de todas, que somente eles podem resolver o problema, não pedem ajuda quando necessário e ainda ao final acham que salvaram a pátria, mas eles perguntaram para o usuário se era daquela forma que ele precisava que o problema fosse resolvido?

Pensem a equipe de sua empresa é uma Tropa de Elite ou a Liga da justiça?

By Leandro Stok

Construindo uma TROPA DE ELITE e não a Liga da justiça